Setembro Verde – A cor para conscientizar sobre Doação de Órgãos

Durante todo mês, ações se multiplicam para abordar o tema da doação e do transplante de órgãos, com números crescentes no Paraná e no Brasil

Nos meses de muitas cores, o setembro ganha tons esverdeados numa bandeira mais que brasileira: a campanha  sobre doação de órgãos é uma luta mundial! Nas terras verdes e amarelas, ganhou um dia para marcar na agenda: 27 de setembro, Dia Nacional de Doação de Órgãos, de acordo com o calendário do Ministério da Saúde. E no mês todo, muitas ações para quebrar tabus, informar e conscientizar. Os resultados chegam em números.

“O Brasil é referência mundial na área de transplantes e possui o maior sistema público do mundo”, ressalta o site do Ministério, que reforça”: “Atualmente, cerca de 96% dos procedimentos de todo o País são financiados pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Em números absolutos, o Brasil é o 2º maior transplantador do mundo, atrás apenas dos EUA. Os pacientes recebem assistência integral e gratuita, incluindo exames preparatórios, cirurgia, acompanhamento e medicamentos pós-transplante, pela rede pública de saúde.”

O Paraná multiplicou por cinco o número de doações em dez anos (2008 – 2018), mas o desafio ainda é grande.  44% das doações são efetivadas com o transplante e as negativas das famílias ainda representam quase um terço (27%), do total  de possíveis doadores. Para ajudar a mudar essa estatística, uma das iniciativas partiu de Adriana Pontin, diretora executiva da Excelência Mkt & Eventos a partir de 2013, à pedido da OPO Organização de Procura de Órgãos de Londrina.

“Juntos com a OPO, fizemos uma exposição de fotos, “Doar Faz Bem ao Coração”,  e reunimos pacientes que estavam na fila de espera e receberam o transplante, e familiares que autorizaram a doação”, lembra. A abertura foi no Shopping Catuaí, em setembro daquele ano, alusiva à campanha Setembro Verde, com fotos assinadas por Kely Sciena. “De lá para cá, não paramos mais!” Adriana ainda realiza diversas ações entre palestras, rodas de conversas, caminhadas e corridas, desfiles, seminários, tudo em prol da conscientização sobre a importância de autorizar e manifestar em vida a vontade de ser um doador de órgãos e tecidos.

Fale sobre isso – Converse com sua família e deixe-os cientes do seu desejo de ser um doador de órgãos e tecidos. A autorização só pode ser feita pela sua família, por isso é tão importante que você converse com seus familiares! Doação de órgãos é salvar vidas!

Larissa Ramos: um transplante duplo e uma vida nova!

EM HOMENAGEM AO MÊS DA MULHER – PERFIL PROFISSIONAL

ELAS FAZEM E ACONTECEM

 

A luta pela vida  e a vitória após receber um rim e o pâncreas se transformaram numa causa dessa advogada que renasceu

 

031.png

A Larissa Ramos de hoje, de 38 anos, é advogada, saúde perfeita, com rins e pâncreas funcionando 100%. Mas por 25 anos foi diabética, doença causada pela falta de insulina,  produzida pelo pâncreas. E ao fazer uma cirurgia plástica, descobriu que também era portadora de doença renal, que se caracteriza pela perda de capacidade dos rins. Larissa entrou na fila do transplante e realizou o procedimento em 2016, o que representou o divisor de águas na vida dela.

“Foi um transplante duplo e deu tudo certo”, lembra. “O transplante foi um renascimento, não tenho mais diabetes nem doença renal!” Apesar da nova fase cheia de saúde e felicidade, algo dentro de Larissa ficou latente. E ela passou a militar na causa para incentivar a doação de órgãos. Como advogada, cuida gratuitamente de toda parte jurídica de transplantados e pré transplantados. E como ser humano que sentiu na pele todo esse drama, também luta para o convencimento de famílias que perderam entes queridos a fazer a doação. “Ainda  dou palestras sobre superação para pessoas que estão na fila do transplante ou para aquelas que acabaram de fazer, contando minha própria história.”

A conscientização sobre a doença renal é outra grande batalha dessa mulher de garra, “um tema pouco conhecido ainda da população” e que a advogada procura dar visibilidade. Larissa também faz parte do projeto Gotas de Vida, que incentiva a doação de sangue. Formas que ela encontrou depois de passar por tantos desafios na vida. “Vi o quanto as pessoas necessitavam de apoio, ajuda e conscientização para essa causa!”

A especialista em direito público com ênfase em gestão pública, e direito tributário e eleitoral, segue a vida com plenitude trabalhando no Núcleo de Práticas Jurídicas da Faculdade Pitágoras. E inevitavelmente inspira com toda fé expressa na seguinte frase: “Deus me escolheu para conhecer essa causa da maneira mais profunda que existe! Me fez doente, para sentir na pele todo o sofrimento, depois me curou! E me disse: Vai! Vai ser a voz daqueles que não tem e precisam!”

Embaixadoras da solidariedade

Sou Doadora de Vida esse é o nome da campanha de conscientização da doação de órgãos e tecidos, sangue e medula óssea, leite humano e de muito amor.

22002135675_d7af1e17c8_o

Esse trabalho é um dos que mais aprendi e cresci como pessoa. A campanha é encabeçada pela PBW – Londrina, seguindo de modelo para outras associações de mulheres brasileiras. O objetivo: desmistificar a visão sobre a doação entre o público feminino. Quando fui convidada para organizar e planejar a Campanha em Londrina em 2013, não imaginava o quanto me envolveria com o tema “doação”, mas só tenho a agradecer à Deus, pois essa foi e ainda é uma grande oportunidade de aprendizado.

E minha ideia mais inovadora foi convidar mulheres de destaque na mídia londrinense como “embaixadoras” dessa bandeira. E assim, Cloara Pinheiro e Helenida Tauil, da Rede Massa, Julie Bicas , Lu Oliveira e Sara Presoto, da TV Tarobá, Karla Leite, Maria Eugenia Kireff, Lenise Queiroz e Paula Medeiros, da Multi TV, Larissa Zanon , da TV RicRecord e Sarah Priscilla, da UniTV atenderam prontamente o apelo e literalmente vestiram a camisa da campanha.

Essas mulheres não foram escolhidas por acaso para chamar atenção à campanha: elas, que já são doadoras de vida com a maternidade, poderiam envolver todos ao redor para a conscientização da importância das doações.

Confira mais nas fotos de Kely Sciena

Doação de órgãos: fale sobre isso!

setembro verde

Setembro é mundialmente o mês que se comemora e agradece aos familiares que autorizaram doações de órgãos e tecidos e num ato de amor, ajudaram a salvar vidas. E o 27 de setembro é o dia nacional do doador de órgãos e tecidos e em Londrina, é o Dia Municipal do doador de órgãos através da Lei Municipal 12.175/2014.

O lacinho verde é o símbolo da campanha em todo o mundo. As atividades realizadas na Campanha Setembro Verde auxiliam no cumprimento da importante missão de evidenciar os benefícios conquistados, publicando os resultados e demonstrando a transformação das pessoas que foram salvas pelos transplantes realizados.

Do ponto de vista religioso, a pastora Simone Kloc da Igreja Cristianismo Decidido de Londrina esclarece que a morte encefálica significa que o corpo físico está morto e o espírito já está com o Senhor Deus. “Como está na Bíblia, o corpo é pó e volta para a terra e o espírito volta para Deus. A doação de órgãos é um ato de amor que ajuda a diminuir o sofrimento do próximo”, explica. A pastora destaca que a doação de órgãos não é a continuidade da vida de quem doou. “É preciso esclarecer que a pessoa que teve morte encefálica não tem mais vida e seu espírito já não habita mais aquele corpo. A doação de órgãos é uma forma dos familiares decidirem o que fazer com o corpo, conforme a vontade da pessoa em vida”, reforça.

A doação ainda é cercada de mitos e desconfiança de uma grande parcela de pessoas, o que resulta em um índice de recusa familiar muito significativo. “Quando os familiares do paciente com morte encefálica são acolhidos durante todo o processo por uma equipe multidisciplinar, as chances de se concretizar uma doação de órgãos é bem maior.” afirma Dr. Carlos Alexandre Martins Zicarelli. Por isso, a importância de conversarmos sobre esses mitos e esclarecer as pessoas é um imperativo categórico para que a doação de órgãos se naturalize em nossa sociedade.

Se tiver dúvidas, acesse e confira: www.abto.org.br

Associação Brasileira de Transplante de Órgãos: ABTO