Dia do Trabalho: o que há de novo no mercado?

No contraponto dos 13 milhões de desempegados, é possível exaltar os quase 52 milhões de empreendedores no Brasil, um caminho para prosperar no mercado de trabalho

O Dia do Trabalho (ou do Trabalhador) vem sendo comemorado em muitos países do mundo desde o século XIX, na data que marcou uma grande greve promovida pela classe operária, na luta por direitos. O movimento paralisou parques industriais na  Chicago de 1886. Houve forte repressão policial e uma sequência de eventos tensos nos dias seguintes. O 1º de Maio virou feriado, inclusive aqui no Brasil República e motivo de festas entre trabalhadores, fomentadas por centrais sindicais,  até hoje.

Em cada feriado, lembra-se da luta. Mas, se historicamente a classe trabalhadora brigou por melhores salários e condições de exercer a função, atualmente, a batalha de milhões é de conseguir inicialmente um emprego. Mais precisamente,  13 milhões de brasileiros, ainda fora do mercado de trabalho, buscam um espaço nesse “sol”, num índice anual que pode fechar 2019 acima de 12%, quando a média mundial é de 5%, de acordo com a Organização Internacional do Trabalho (OIT). 

Embora o cenário se apresente aparentemente negativo, existe uma outra vertente ativa, que também cresce como tendência inovadora e não está ligada apenas à necessidade de criar alternativa pela falta de uma vaga no mercado formal. O abrir o próprio negócio, o arriscar-se em mundos inicialmente desconhecidos, o encorajar-se a buscar um novo caminho, enfim, o Empreendedorismo se coloca como oportunidade real para um futuro promissor.

Um levantamento  feito em 49 países, e no Brasil,  coordenado pelo Instituto Brasileiro da Qualidade e Produtividade (IBQP), em parceria com o Sebrae, apontou o crescimento. Hoje, de cada cinco adultos, dois são empreendedores, e correspondem a quase 52 milhões de pessoas. Os jovens são em maior número. Porém, pessoas mais velhas até a terceira idade vêm despertando para essa nova possibilidade. Empreender por necessidade de sustento ainda significa o maior número de negócios com essa característica. Mas cresce também a quantidade de iniciativas postas em prática apenas por enxergar soluções e um bom nicho de mercado junto.

Ter criatividade, arrojo e espírito inovador estão entre as característica do empreendedor. E talvez nesse feriado, alguém assim esteja se fazendo a pergunta: como eu posso sair dos 13 milhões para me tornar um dos 52 milhões? Uma das respostas: Apostar em áreas que estão em alta, como agronegócio, saúde e cidades inteligentes, manter a visão no futuro para enxergar o que ninguém ainda enxergou, trilhar o conhecimento, perseverar… E sempre, sempre… Acreditar em você!

Dia do Trabalhador na era do Covid-19

Um 1º de maio inédito, como se estivéssemos em guerra, num momento histórico que ressalta a importância dos trabalhadores invisíveis

É impressionante como uma coisinha tão pequena, minúscula, invisível, tenha capacidade e poder de paralisar o mundo. No Brasil, nunca vivemos uma guerra, não estamos preparados e nem mesmo temos a noção de como isso seria. Mas, é certo que crises de qualquer espécie fecham e abrem portas, e claro, transformam comportamentos e atitudes. Nesse exato momento, o mundo já mudou e cada um passa por isso da sua maneira, reinventando sua rotina, se descobrindo como um estrangeiro… um momento de reflexão e descoberta interior.

Estamos privados da nossa rotina, sem poder ver pessoas que a gente gosta, de quem sentimos imensa falta, não podemos cumprir compromissos. E temos que realizar serviços que não estamos acostumados.

Mães e pais estão se revezando para cumprir as tarefas escolares junto a seus filhos – a valorização do professor nunca foi tão certa como agora. A limpeza e manutenção do lar se divide, além da rotina profissional, entre os moradores da casa. Um simples levar o lixo tem visibilidade e significado incrível, que anteriormente passava despercebido. Trabalhadores invisíveis estão sendo lembrados diariamente nesse momento de isolamento – profissionais do lar, da saúde, da comunicação, garis, professores… tantas são as atividades exercidas que só com essa crise estão sendo valorizadas e reconhecidas. Conseguimos ver a essência necessidade de compartilhamento, solidariedade e empatia.

Esse é um 1º de maio histórico. O palco da comemoração será em nossos lares, todos juntos, isolados, mas cada um por sua conta. Com uma pandemia que marca o Século com os limites do progresso e da revolução tecnológica. Investimos tanto na tecnologia, mas não em sistemas de saúde e de prevenção que pudessem conter uma coisinha minúscula, mas um grande inimigo invisível.

No mundo de 2020, estamos confinados devido à pandemia de COVID-19, e celebramos o Dia do Trabalhador com reflexão e transformação de mentalidade, ressaltando o papel crucial dos trabalhadores na linha de frente da crise de saúde, dos que ensinam nossas crianças nas escolas, dos que fazem a manutenção e limpeza das nossas casas e municípios, dos que estão a frente de decisões importantes como os contadores, advogados, cientistas políticos, economistas e tantos outros que podem ser invisíveis para uns e para outros não, mas, todos merecem o reconhecimento pelo trabalho exercido.

Com carinho, desejo Feliz Dia do Trabalhador para todos!

Adriana Pontin