Páscoa: um motivo para não desistir

Além de exemplo do amor maior pela humanidade, Jesus é apontado como grande líder, modelo de gestão de emoções e de pessoas para transformar o mundo

Sobre a Páscoa, que dizer? Sobre esses dias “santos”, como refletir?  Se você busca transformação de vida além do bacalhau na mesa e troca de ovos de chocolate, mesmo que não siga uma crença religiosa, não importa… Esse pode ser o momento de voltar a consciência para dentro de si e se auto questionar: como o melhor exemplo de amor do mundo – de Jesus crucificado, morto pela humanidade – pode me transformar? 

Que Deus enviou seu filho à Terra para salvar a humanidade do pecado e da morte nas trevas, por meio de seu sangue puro, depois da morte na cruz , todo cristão crê. E para aqueles que não acreditam como os cristãos, mas, querem inspiração para a transformação de vida, basta observar a visão sobre Jesus Cristo, que também pode ser ampliada, além do exemplo de amor. Em sua missão na Terra, muitos estudiosos apontam Jesus como o maior líder que já existiu e pode ser seguido nos dias de hoje como modelo para controlar as próprias emoções, gerir pessoas, motivar e ser um agente transformador do seu próprio mundo.

“Um verdadeiro líder é aquele que administra as emoções”, sentencia Daniel Godri,  palestrante, ex professor de Marketing da PUC – PR, referindo-se a Jesus. O autor  lembra que o filho de Deus nasceu em local insalubre, teve uma infância difícil ao lado dos pais, na pobreza e fugindo de inimigos, e na vida adulta, teve apenas três anos para escolher e “treinar” sua equipe, até ser oprimido, perseguido e condenado à morte pelos poderosos da época.

Augusto Cury, um dos escritores mais populares da atualidade, vem estudando Jesus há anos. Sobre o Livro, “O homem mais inteligente da História” , Cury escreve no Prefácio: “Esperava, ao estudar a personalidade de Jesus, encontrar uma inteligência comum, pouco criativa, pouco analítica, pouco instigante, sem gestão da emoção, ou então um ‘herói’ mal construído por galileus. Entretanto, fiquei perplexo.”

Em sua jornada, Jesus vendeu sonhos, “não impunha, apenas propunha”,  e até hoje mantém seguidores fiéis pelo planeta. Que esse exemplo também remeta ao mundo tão intolerante de hoje, para que se conclua: É preciso aceitar diferenças, e reunir numa mesma mesa personalidades diversas, talvez resistentes, mas que podem ser lapidadas para transformar o mundo, junto com você.

Adriana Pontin e equipe lhe deseja boa Páscoa!

06 de outubro: Dia Nacional do Doador de Medula Óssea

Data incentiva o cadastro no REDOME, e atenta o doador para a constante atualização de dados

Ser doador voluntário de medula óssea é fazer um cadastro, com dados pessoais, e coletar uma pequena amostra de sangue. E se for chamado, decidir se realmente vai doar a medula para quem precisa de um transplante. Simples assim. Mas o valor desse ato segue no mesmo caminho da raridade da compatibilidade com um receptor: um para cem mil entre pessoas não aparentadas, e um para um milhão, entre brasileiros com maior índice de miscigenação, segundo a Federação Médica Brasileira. 

O Brasil está bem servido nesse quesito, tem o terceiro maior cadastro do mundo, com mais de quatro milhões de doadores  É o chamado REDOME – Registro Nacional de Doadores Voluntários de Medula Óssea, coordenado pelo INCA – Instituto Nacional de Câncer, um banco que reúne todos os dados dos voluntários, como nome, endereço, resultados de exames e características genéticas. Em Londrina, esse primeiro cadastro é feito no Hemocentro do Hospital Universitário, que repassa as informações ao REDOME. “Por ano, são feitos de mil a 1500 cadastros novos no HU, o que é um número significativo, se considerarmos que o Brasil recomenda que não haja campanhas para novos doadores”, revela Fausto Trigo, diretor do Hemocentro.

Atualmente, o maior esforço é no sentido de chamar os nomes cadastrados para entrar no site do REDOME e atualizar as informações, “caso contrário, esse cadastro fica perdido”, completa Trigo, e o potencial doador não é localizado. O outro trabalho tem sido no sentido de buscar grupos étnicos com menos miscigenação, que é o caso de indígenas, grupos de imigração, etc.

Quando houver um paciente com possível compatibilidade, esse potencial doador é convocado,  para decidir quanto à doação. Como as informações são sigilosas, o Hemocentro do HU não tem dados sobre quantos doadores cadastrados daqui puderam de fato contribuir com o transplante de medula óssea. Mas o levantamento nacional dá conta de que em 2018, o Brasil registrou um número recorde de transplantes com doadores de fora da família, em que a compatibilidade para não parentes é maior.

O transplante é um tipo de tratamento proposto para algumas doenças benignas ou malignas que afetam as células do sangue, desde as oncológicas e algumas hematológicas. Ele consiste na substituição de uma medula óssea doente, ou deficitária, por células normais de medula óssea, com o objetivo de reconstituição de uma nova medula.

Hoje,  Dia Nacional do Doador de Medula Óssea, é uma data para não apenas incentivar a todos a se tornar um doador voluntário. Mas também para chamar a atenção para a importância da atualização do cadastro. Se você tem entre 18 e 54 anos e está em bom estado de saúde, participe dessa ação de amor ao próximo!

Atualize seu cadastro aqui no site do Redome Nacional.

Com a passagem, a Primavera!

Hoje, às 4h50 da madrugada, iniciou-se a Primavera, estação mais colorida e perfumada do ano para florir mentes e corações

Do latim, primo vere significa “antes do verão”. De plena explicação no próprio nome, a estação que antecede a mais quente, chega sempre como a mais bela, a mais colorida, perfumada e florida, e por que não, a mais inspiradora… anunciando, para mentes e corações, sua chegada, em flores de todos os tipos. Eis a Primavera, que se abriu em mais um ano no Hemisfério Sul do planeta, exatamente às 4h50 da manhã de hoje.

O desabrochar das flores é só sua melhor característica. Tomando o lugar do inverno, também a Primavera se encarrega de aumentar a temperatura, não de forma tão acentuada quanto a estação que a sucede, mas deixa tudo mais ameno, com aumento significativo das chuvas e da umidade do ar.

Se a natureza se expande nesta época, os olhos agradecem, e nós também! Que os corações também fiquem mais cheio de cores, flores, e para rimar, amores. Que a apreciação seja plena de espírito de conservação desse meio ambiente tão nosso, e que até 22 de dezembro, um domingo, possamos admirar a paisagem bela, até que o sol se incline ainda mais para dar lugar ao solstício de verão!

Linda Primavera a todos! É o que deseja Equipe Excelência Mkt & Eventos!

Independência do Brasil: porquê nunca esquecer esses quase 200 anos

A data – bem mais que um feriado – é um marco histórico brasileiro, e traçou os novos rumos da nação até hoje

A Independência do Brasil – que deixou de ser colônia de Portugal em sete de setembro de 1822 para ser uma nação soberana – completa hoje 197 anos. Importante data como marco histórico, traçou o futuro do país, que começou a criar a nacionalidade brasileira.  E será sempre motivo de ser devidamente lembrada, embora nas ruas, tantas vezes, a população saiba do feriado, mas não se  recorde do motivo dele.

Às margens do riacho Ipiranga, a independência de Portugal teria sido proclamada pelo príncipe regente,  Dom Pedro, rompendo politicamente com o Império Português. O ato em si é colocado em dúvida por muitos historiadores, mas o fato não se questiona. E foi resultado de um processo que durou anos, tendo início quando Dom João VI,  rei de Portugal, pai de D. Pedro, chegou ao Brasil em 1808. Diz a História, ainda, que a esposa de D. Pedro,  Leopoldina, no dia 02, juntamente com ministros, decidiu pela separação definitiva entre Brasil e Portugal, assinando então a declaração de independência. A carta foi enviada ao marido, em viagem a São Paulo, que a leu, deu o grito e oficializou a ruptura.

De imediato, a independência brasileira proporcionou o início da organização do Estado,  mas pouco trouxe de mudanças profundas no quadro político e social do país. Houve conflitos posteriores de resistência, mas que não alteraram o novo status. A primeira Constituição genuinamente brasileira foi criada dois anos depois, em 1824. E veio também uma grande dívida, já que o Brasil teve que pagar dois milhões de libras como indenização aos portugueses por essa “tal independência”.

Nos rumos da história, outras constituições e dívidas vieram, até depois que a nação se tornou República em 1889. Chegar aos dias atuais com a missão de refletir sobre seu passado, é também fazer dos erros, futuros acertos.

Setembro Verde – A cor para conscientizar sobre Doação de Órgãos

Durante todo mês, ações se multiplicam para abordar o tema da doação e do transplante de órgãos, com números crescentes no Paraná e no Brasil

Nos meses de muitas cores, o setembro ganha tons esverdeados numa bandeira mais que brasileira: a campanha  sobre doação de órgãos é uma luta mundial! Nas terras verdes e amarelas, ganhou um dia para marcar na agenda: 27 de setembro, Dia Nacional de Doação de Órgãos, de acordo com o calendário do Ministério da Saúde. E no mês todo, muitas ações para quebrar tabus, informar e conscientizar. Os resultados chegam em números.

“O Brasil é referência mundial na área de transplantes e possui o maior sistema público do mundo”, ressalta o site do Ministério, que reforça”: “Atualmente, cerca de 96% dos procedimentos de todo o País são financiados pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Em números absolutos, o Brasil é o 2º maior transplantador do mundo, atrás apenas dos EUA. Os pacientes recebem assistência integral e gratuita, incluindo exames preparatórios, cirurgia, acompanhamento e medicamentos pós-transplante, pela rede pública de saúde.”

O Paraná multiplicou por cinco o número de doações em dez anos (2008 – 2018), mas o desafio ainda é grande.  44% das doações são efetivadas com o transplante e as negativas das famílias ainda representam quase um terço (27%), do total  de possíveis doadores. Para ajudar a mudar essa estatística, uma das iniciativas partiu de Adriana Pontin, diretora executiva da Excelência Mkt & Eventos a partir de 2013, à pedido da OPO Organização de Procura de Órgãos de Londrina.

“Juntos com a OPO, fizemos uma exposição de fotos, “Doar Faz Bem ao Coração”,  e reunimos pacientes que estavam na fila de espera e receberam o transplante, e familiares que autorizaram a doação”, lembra. A abertura foi no Shopping Catuaí, em setembro daquele ano, alusiva à campanha Setembro Verde, com fotos assinadas por Kely Sciena. “De lá para cá, não paramos mais!” Adriana ainda realiza diversas ações entre palestras, rodas de conversas, caminhadas e corridas, desfiles, seminários, tudo em prol da conscientização sobre a importância de autorizar e manifestar em vida a vontade de ser um doador de órgãos e tecidos.

Fale sobre isso – Converse com sua família e deixe-os cientes do seu desejo de ser um doador de órgãos e tecidos. A autorização só pode ser feita pela sua família, por isso é tão importante que você converse com seus familiares! Doação de órgãos é salvar vidas!

Semana Nacional do Excepcional ressalta importância da família

Com ações realizada pelas Apaes de todo país, Semana pretende conscientizar sobre envolvimento da família para lutar por políticas públicas a pessoas com deficiência

A Semana Nacional da Pessoa com Deficiência Intelectual e Múltipla ou do Excepcional abre mais um ciclo de debates 2019, que passam por temas sempre atuais, como igualdade e inclusão. De 21 a 28 de agoto, a Federação Nacional das Apaes, promove ações de incentivo nos municípios brasileiros, para mobilizar a sociedade diante da reflexão, que ganhou força com a Lei 13.585 de 26 de dezembro de 2017, que institui a Semana.

O tema de 2019 é  “Família e pessoa com deficiência: protagonistas na implementação das políticas públicas”, com várias estratégias de mobilização, e reforça a importância da participação da família, em todos os processos de vida se seus filhos. seja educacional, de desenvolvimento, de habilitação e reabilitação, e demais projetos como na gestão das Apaes.

A Semana Nacional pretende, portanto, disseminar bandeiras necessárias para a implementação de políticas públicas no Brasil, que garantam direitos sociais e o acesso à formação cidadã da pessoa com deficiência. Desde a criação de programas escolares e outras ações que garantam autonomia e valorizem as competências e habilidades desses especiais sujeitos da sociedade.

Dia dos Pais: Você conhece essa história?

Data criada com mote religioso por jornal carioca se difundiu e se tornou uma das mais prestigiadas ao longo do ano

Historicamente, o Dia dos Pais sempre foi menos “badalado” no Brasil que o Dia das Mães, que passou a existir antes. Afinal, mãe é mãe, né! Mas nos últimos anos, a figura paterna, que remete a companheirismo, parceria, e aquela mão amiga e forte, pronta para apoiar e elevar a auto estima dos filhos, se configurou, e salta aos olhos de consumidores, nas propagandas televisivas, sendo, hoje, um reflexo do modelo atual da sociedade, com pais cada vez mais conscientes e presentes na formação de suas crias.

No mundo todo,  é uma das datas mais prestigiadas do ano, em dias diferentes e com origens diversas também; e vem no conjunto de datas comemorativas de que o comércio se vale para elevar as vendas (já defendemos aqui a importância dessas datas como forma de fomentar a economia nacional). Aos filhos, cabe a homenagem.

Sempre no segundo domingo de agosto, o Dia dos Pais no Brasil foi comemorado pela  primeira vez em 1953, no dia 16 de agosto, data criada como “Dia do Papai”, no jornal carioca O Globo. O dia era também de São Joaquim, pai de Maria, mãe de Jesus Cristo, considerado o patriarca das famílias, na fé católica. Desde o início, o apelo familiar tinha sim um viés comercial.

Mas o fato é que a homenagem, restrita ao Rio de Janeiro,  pegou, e a partir do segundo ano, se difundiu para o Brasil todo, deslocando-se a data para um domingo, e consagrando um dia dedicado a essa figura, que de ‘carrancudo a babão’ está sempre no coração, e merece, no mínimo, um grande abraço!

Desejamos a todos os pais um feliz dia!

Dia mundial do rock: mais que uma data, um ritmo que conquista gerações

Data foi instituída durante o lendário Live Aid, que reuniu bandas renomadas em 1985. Mas antes e depois, nomes icônicos do estilo musical se eternizaram 

O Rock n’Roll já influenciou tanto as vidas, as trilhas e a história da música, que, gostando do ritmo ou não, impossível é não reconhecer quando os primeiros sons de guitarras ecoam em algum ambiente. É um som que tem  DNA próprio, que transpassa a linha do tempo, a barreira de gerações, e conquista gostos independentemente do nível de  exigência do ouvido. Aos que amam, não importa em que ano nasceram. O que importa é que ele – o rock – nunca fica velho.

Se a origem remete à década de 1940, numa mistura de blues, country e outros ritmos, nos anos 1950, um nome surgiu para nunca mais morrer: Elvis Presley seria um dos grandes ícones, porém não único, desse estilo musical que tanto encanta. Anos 60 chegaram e o estilo transgressor se estabeleceu. O quarteto de Liverpool ganhava o mundo para sempre, como a maior banda de todos os tempos. Claro que se trata de The Beatles, a quem até um jovem de 15 anos, apaixonado por música,  se rende em pleno 2019.

A trajetória do rock seguiu, outros nomes históricos vieram. Já a data,  13 de julho, nasceu como dia mundial do rock em outro momento lendário dessa trajetória. Era 1985, e um grande evento chamado Live Aid, foi um acontecimento. Um show simultâneo em Londres, na Inglaterra, e na Filadélfia, nos Estados Unidos, reuniu artistas com objetivo de arrecadar fundos para combater a drástica pobreza e a fome na Etiópia. Led Zeppelin, Dire Straits,  Joan Baez, David Bowie, BB King, Rolling Stones, Sting, Scorpions, U2, Paul McCartney, Phil Collins, Eric Clapton, Black Sabbath, entre outros, se revezavam no palco. O show foi transmitido ao vivo para diversos países. Na ocasião, o cantor e baterista Phil Collins propôs que o dia 13 de julho fosse lembrando como Dia Mundial do Rock.

Recentemente o show, único e lendário, o qual nunca mais se conseguiu repetir, foi reproduzido com fidelidade no filme Bohemian Rhapsody, que retrata a trajetória de  Freddie Mercury e consequentemente do Queen. Críticos de todos os cantos reconhecem que essa foi a melhor apresentação da banda. O longa reviveu com maestria momentos icônicos, do Queen, de Mercury, e do Live Aid, que se tornou também símbolo de um ritmo que ainda promete percorrer mais e mais gerações. Vivo e cheio de nomes que nunca vão deixar de existir,  de acordes marcantes, de estilo intenso que remete à própria dança da vida!

Feriado municipal de Londrina alia religiosidade e festa

Dia do padroeiro de Londrina remete à história e a fé da comunidade católica

O padroeiro de Londrina sempre foi o Sagrado Coração de Jesus. Mas só a partir de 2003, o feriado religioso – que é móvel, comemorado na sexta-feira seguinte ao Corpus Christi – passou a valer no município.

Os católicos contam que foi ideia dos primeiros moradores da cidade antes mesmo da emancipação política, ocorrida em dezembro de 1934. Em março de 1932, época em que Londrina pertencia à diocese de Jacarezinho, o bispo Dom Fernando Tadei trouxe para cá a primeira imagem do padroeiro, que desde então pode ser apreciada na Catedral Metropolitana.

Até 2002, porém, havia uma confusão – a até polêmica religiosa – já que se acreditava ser Nossa Senhora da Imaculada Conceição a verdadeira padroeira, festejada no dia 8 de dezembro, antevéspera do aniversário do município.

Desde a oficialização do feriado municipal, a data é comemorada com festa e devoção. No estacionamento da Catedral, barracas de comidas típicas e brincadeiras infantis são atração todos os anos, fora a programação religiosa para os devotos. A movimentação de uma sexta-feira comum dá lugar a paisagens tranquilas, com pouca gente na rua, que aproveita o dia, também, para descansar.

Você doa sangue? Hoje é dia mundial do doador!

14 de junho é a data escolhida no mundo para celebrar esse ato solidário do doador de sangue regular, que também traduz responsabilidade social e generosidade para com o próximo

O apelo é frequente. O ano todo precisa-se de mais e mais sangue doado. Afinal, nada substitui o sangue humano em caso de necessidade. E a necessidade tende a sempre crescer. A transfusão torna-se a diferença entre a vida e a morte em casos de acidentes, cirurgias, doenças. Mas anualmente, menos de 2% da população brasileira se dispõem a doar sangue.

O Hemocentro de Londrina enfrenta períodos em que a doação cai, enquanto a demanda só aumenta. O diretor do Hemocentro, Dr. Fausto Trigo, lembra que em 2019, o número de bolsas de sangue doadas chegou a 1300 por mês, “mas para atender dois complexos hospitalares importantes, que são a Santa Casa e o Hospital Evangélico de Londrina, precisamos de 800 bolsas mensais a mais.”

O mês de junho intensifica o chamado para sensibilizar novos doadores. Em Londrina, foi escolhido para a Campanha Municipal de Conscientização. E de maneira universal, celebra-se neste mês o Dia Mundial do Doador de Sangue, em 14 de junho. A corrente para incentivar a doação também é uma forma de agradecer quem já realiza o ato com regularidade.

A empreendedora Adriana Pontin, estrategista da Excelência Mkt & Eventos é a idealizadora do Projeto Gotas de Vida, uma exposição fotográfica, que também reúne vídeos e relatos dos dois elos dessa história, doadores e receptores e o final feliz de vidas renovadas. Adriana ressalta que “doar sangue é um uma expressão de solidariedade, generosidade e responsabilidade social sim, mas também significa informação e conscientização”.

Doar sangue não prejudica em nada, ao contrário. Só causa o bem. Se você tem entre 16 e 69 anos, pesa 50 kg ou mais e está em boas condições de saúde, é só decidir pela doação, que pode ser feita até quatro vezes por ano, com intervalo de 60 dias entre cada uma. Se você você já é um doador regular, parabéns! Hoje é seu dia!

Para fazer sua doação nesse período de pandemia do Covid-19, acesse o site e agende seu horário: www.saude.pr.gov.br/doacao