Será que ninguém mais lê?

Pesquisa do Banco Mundial aponta que os estudantes brasileiros demorarão mais de 260 anos para atingir a qualidade de leitura de países desenvolvidos. O que dirá dos não estudantes?

Um texto de jornal, blog, legendas nas redes sociais ou mesmo um contrato, a bula de um remédio? Quem sabe o cardápio… Será que ninguém lê? Será que há no mundo mais “escritores’ que leitores? O que será dos livros então, aqueles tradicionais impressos de muitas páginas, caprichosamente editados e publicados com capas cheias de arte, com histórias fascinantes, ou informações relevantes, tornando a realidade mais compreensível, seja lá qual for o objetivo do leitor? O hábito da leitura é mesmo um desafio.

Conquistar um leitor e prender a sua atenção se tornou tarefa árdua. Leitores são como peixes raros fisgados na imensidão de um oceano repleto de preguiça ou falta de tempo (embora o tempo seja sempre uma questão bastante relativa).

“No início de 2018, o Banco Mundial lançou uma pesquisa apontando que os estudantes brasileiros demorarão mais de 260 anos para atingir a qualidade de leitura de países desenvolvidos. O quadro desanimador aponta um risco para o pensamento crítico dos estudantes brasileiros, pois a leitura estimula a reflexão e a interação entre ideias que fomentam discussões proveitosas para o desenvolvimento do conhecimento. Quanto menos a leitura for estimulada, menor será o pensamento crítico dos jovens, principalmente estudantes, no ambiente social.”

Esse pedaço de texto está em uma reportagem da Revista Exame, de maio de 2019, e aponta o dado preocupante considerando apenas estudantes. O que dirá do restante da população? Outras pesquisas apontam que o jovem lê mais (talvez devido às obrigações escolares) do que as pessoas na vida adulta. Independentemente, se alguém leu ou não o texto acima, o fato é que para “43% dos leitores, a falta de tempo se torna um grande inimigo”. Aliado a isso, tem-se o problema do desinteresse por parte dos não leitores. Por esses dois principais motivos, “faz-se necessária a construção de uma leitura interessante e de fácil acesso a todas as camadas sociais”, completa a revista.

Triste, não é? Triste? O que é triste? Será que você leu até aqui? Se leu, aproveite para refletir. Em outubro, há três datas sugestivas (e só sabe quem lê e se informa): o Dia Nacional da Leitura (12), Dia do Professor (15) e Dia Nacional do Livro (29). Juntamos as três neste artigo de cinco curtos parágrafos para te inspirar. Ler não é uma questão de vocação ou gosto, é um hábito. Não há limite de idade, pois é mais uma questão de interesse e de querer saber mais. Além de respeito ao escritor! Se alguém escreveu algo, foi em consideração a quem lê. Lembre-se disso quando sentir-se desanimado a continuar uma leitura, insistir pode fazer a diferença na sua rotina de leitor.

Publicado por

Adriana Pontin

Executiva de negócios apaixonada por criar experiências únicas. Co-autora dos livros "Mulheres que empreendem e transformam" e "As donas da P. toda". Especialista em marketing de experiência, turismo de negócios, inovação social e liderança. Atual presidente da Adetunorp (agência de desenvolvimento turístico do Norte do Paraná). Araponguense, mas, pé vermelho de coração. Tutora do Theo, companheiro fiel, além de ser o pug mais lindo do mundo!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *