06 de outubro: Dia Nacional do Doador de Medula Óssea

Data incentiva o cadastro no REDOME, e atenta o doador para a constante atualização de dados

Ser doador voluntário de medula óssea é fazer um cadastro, com dados pessoais, e coletar uma pequena amostra de sangue. E se for chamado, decidir se realmente vai doar a medula para quem precisa de um transplante. Simples assim. Mas o valor desse ato segue no mesmo caminho da raridade da compatibilidade com um receptor: um para cem mil entre pessoas não aparentadas, e um para um milhão, entre brasileiros com maior índice de miscigenação, segundo a Federação Médica Brasileira. 

O Brasil está bem servido nesse quesito, tem o terceiro maior cadastro do mundo, com mais de quatro milhões de doadores  É o chamado REDOME – Registro Nacional de Doadores Voluntários de Medula Óssea, coordenado pelo INCA – Instituto Nacional de Câncer, um banco que reúne todos os dados dos voluntários, como nome, endereço, resultados de exames e características genéticas. Em Londrina, esse primeiro cadastro é feito no Hemocentro do Hospital Universitário, que repassa as informações ao REDOME. “Por ano, são feitos de mil a 1500 cadastros novos no HU, o que é um número significativo, se considerarmos que o Brasil recomenda que não haja campanhas para novos doadores”, revela Fausto Trigo, diretor do Hemocentro.

Atualmente, o maior esforço é no sentido de chamar os nomes cadastrados para entrar no site do REDOME e atualizar as informações, “caso contrário, esse cadastro fica perdido”, completa Trigo, e o potencial doador não é localizado. O outro trabalho tem sido no sentido de buscar grupos étnicos com menos miscigenação, que é o caso de indígenas, grupos de imigração, etc.

Quando houver um paciente com possível compatibilidade, esse potencial doador é convocado,  para decidir quanto à doação. Como as informações são sigilosas, o Hemocentro do HU não tem dados sobre quantos doadores cadastrados daqui puderam de fato contribuir com o transplante de medula óssea. Mas o levantamento nacional dá conta de que em 2018, o Brasil registrou um número recorde de transplantes com doadores de fora da família, em que a compatibilidade para não parentes é maior.

O transplante é um tipo de tratamento proposto para algumas doenças benignas ou malignas que afetam as células do sangue, desde as oncológicas e algumas hematológicas. Ele consiste na substituição de uma medula óssea doente, ou deficitária, por células normais de medula óssea, com o objetivo de reconstituição de uma nova medula.

Hoje,  Dia Nacional do Doador de Medula Óssea, é uma data para não apenas incentivar a todos a se tornar um doador voluntário. Mas também para chamar a atenção para a importância da atualização do cadastro. Se você tem entre 18 e 54 anos e está em bom estado de saúde, participe dessa ação de amor ao próximo!

Atualize seu cadastro aqui no site do Redome Nacional.

Publicado por

Adriana Pontin

Executiva de negócios apaixonada por criar experiências únicas. Co-autora dos livros "Mulheres que empreendem e transformam" e "As donas da P. toda". Especialista em marketing de experiência, turismo de negócios, inovação social e liderança. Atual presidente da Adetunorp (agência de desenvolvimento turístico do Norte do Paraná). Araponguense, mas, pé vermelho de coração. Tutora do Theo, companheiro fiel, além de ser o pug mais lindo do mundo!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.